Mix Cultural entrevista Luis Eduardo Matta

Luis Eduardo é um jovem e talentosíssimo autor brasileiro de ficção, com tino perfeito para tramas intrincadas e reviravoltas emocionantes. Li todas as suas obras, e é nítido sua evolução e seu crescimento como escritor. Sua última obra é “O Véu”. Suspense, atentados, situações diplomáticas, pinturas, assassinatos, segredos e adrenalina, estes são os ingredientes que tornam a obra um dos melhores livro de ficção da atualidade.

Entrevista:

Nasci no Rio de Janeiro, onde sempre morei, em novembro de 1974. Tenho, portanto, 35 anos. Lancei meu primeiro livro em 1993, aos 18 anos. Fiquei nove anos sem publicar e só retornei em 2002.

Publiquei, até o momento, os seguintes livros, entre thrillers para os públicos adulto e juvenil:
– Conexão Beirute-Teeran (1993)
– Ira Implacável: Indícios de uma Conspiração (2002)
– 120 Horas (2005)
– Morte no Colégio (2007)
– Roubo no Paço Imperial (2008)
– O Rubi do Planalto Central (2009)
– O Véu (2009)

Luis, o mercado editorial no Brasil é pequeno e bem fechado, como foi sua caminhada até este maravilhoso sucesso de sua carreira?
Bom, o “maravilhoso sucesso de sua carreira” eu vou creditar à sua gentileza e generosidade. Não alcancei esse nível ainda. O meio editorial é complicado, muito competitivo e o mercado é pequeno, como você bem frisou na sua pergunta e eu sempre enfrentei muitas dificuldades. O que me tem movido é a minha paixão pela escrita e pela literatura e muita perseverança. Sem perseverança, as coisas dificilmente acontecem. Mas eu estou longe de me considerar alguém que “já chegou lá”. Continuo, isso sim, na caminhada e devo permanecer nela por muito tempo ainda.

De onde tira inspiração para temas tão distintos e profundos?
De muitos lugares: da vida cotidiana, da arte em todas as suas manifestações e da minha curiosidade sobre diferentes assuntos. É fascinante misturar numa trama de suspense e mistério temas que, aparentemente, pouco ou nada têm em comum. É um grande desafio. Não faço uma literatura confessional. O que me atrai no ato de escrever é justamente recriar na ficção situações que eu não viveria na realidade, dar vida a personagens e jogá-los no mundo.

Como foi sua experiência para escrever para o público infantojuvenil?
Extraordinária. Foi a minha grande descoberta nesta última década. Tenho, há muito tempo, uma preocupação com a formação de leitores no Brasil. Escrever para o público juvenil foi a forma que eu encontrei para fazer a minha parte, aproveitando a experiência que eu já tinha na criação de thrillers adultos. Tem dado certo. A ficção de suspense e mistério é ótima formadora de leitores, sobretudo por duas razões: vale tanto para garotos quanto para garotas e desperta uma curiosidade direta no leitor, que quer ver esclarecido o mistério da trama, o que o estimula a mais facilmente virar as páginas rumo ao final do livro.

Quem lê suas obras percebe nitidamente sua evolução literária. Conte-nos um pouco esta trajetória.
Acho que ela reflete a minha evolução como ser humano. No sentido que, a cada ano que passa, sinto que compreendo melhor as pessoas e o mundo, aceito mais certas circunstâncias e aprendo mais sobre a multiplicidade da realidade. Por menos confessional que seja um romance, ele não deixa de ser um trabalho autoral. Foi como eu disse há pouco: continuo na minha caminhada e isso vale, também, para o meu aprendizado humano e existencial.

Luis sua mente é fascinante, você consegue dar vida ao que escreve, e isto é muito raro em nossos autores.
É uma mente que não abandonou o mundo da fantasia. A fantasia é uma característica da infância que o processo de amadurecimento tenta destruir ou, ao menos, sufocar. No meu caso isso nunca aconteceu porque a minha transição da infância para a idade adulta se deu de uma forma muito suave, natural, sem grandes rupturas. Aos 17 anos eu senti que precisava extravasar esse lado fabulador. Foi uma necessidade quase psiquiátrica (risos). Ao mesmo tempo, tenho os pés muito firmes na realidade. Procuro ver as coisas como elas são, com o mínimo possível de interferência ideológica, religiosa, etc. O que às vezes é muito difícil. Então acho que essa simbiose intensa entre fantasia e realismo é o que dá vida à minha ficção.

O Véu é uma prova maravilhosa de seu talento, como está a receptividade da obra no Brasil?
Muito boa. Tenho recebido, através do meu site, mensagens muito positivas de leitores. A vendagem também está sendo ótima. É claro que muita gente não vai gostar do livro, o que é natural e estou sempre preparado para as críticas negativas, pois sei que elas fazem parte do jogo. Mas só o fato de o romance existir e estar circulando me alegra, pois foi um livro que escrevi com grande paixão.

Suas considerações finais:
Acredito no poder positivamente transformador da leitura, até para fins utilitários. Temos um longo caminho a percorrer no Brasil neste sentido e todo o meu esforço tem sido com esse propósito. O Brasil só se desenvolverá plenamente quando tivermos uma população mais instruída, que saiba ler e interpretar textos e possa, com isso, estar habilitada a pensar e a contestar. Sei que é utópico, sei que é difícil, mas é possível. Enquanto eu achar que o thriller é um caminho para atrair pessoas para o texto escrito e para a literatura brasileira, seguirei escrevendo nesta linha. O Brasil crescerá quando os livros estiverem no coração do povão.

Entrevista concedida a Roberta Souza. Originalmente publicada no MIX CULTURAL em 24 de fevereiro de 2010.

Anúncios

1 Comentário

  1. Conheço o Luis há um tempo, mas ainda não tinha tido o ímpeto de ler os seus livros. Adoro ler, e quando finalmente peguei “120 Horas” para ler, só consegui ir dormir depois de acabar o livro. Imediatamente fui ler “O Véu”, e fiquei impressionada com o ritmo da narrativa, a riqueza de detalhes e a capacidade de nos surpreender do estilo do Luís. Quando você acha que entendeu tudo, as coisas mudam. Além disso, é interesse notar a quantidade de novas informações dessa conexão oriente médio/Brasil, o que nos remete às complicações de um país teocrático, e dominado por homens.
    Estou esperando o próximo livro do Luis, para ler e me divertir muito, além de ter acesso a novos pontos de vista e panoramas sociais.


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Assine este blog e receba notificações de novos artigos por email

  • Siga Luis Eduardo Matta no TWITTER

    Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.